A Justiça Federal recebeu no dia  (14) denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na qual se tornou réu por lavagem de dinheiro porque teria recebido R$ 1 milhão do grupo brasileiro ARG. Os valores teriam sido dissimulados na forma de doação ao Instituto Lula.

De acordo com o MPF, o pagamento teria sido feito depois que o ex-presidente influiu em decisões do presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, as quais resultaram na ampliação dos negócios da empresa no país africano. A denúncia foi apresentada em novembro pela Força-Tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo.

“A abertura de uma nova ação penal contra Lula com base em acusação frívola e desprovida de suporte probatório mínimo é mais um passo da perseguição que vem sendo praticada contra o ex-presidente com o objetivo de impedir sua atuação política por meio da má utilização das leis e dos procedimentos jurídicos (lawfare)”, disse, em nota, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins.

Também responderá ao processo o controlador do grupo ARG, Rodolfo Giannetti Geo, que foi denunciado por lavagem de dinheiro e tráfico de influência em transação comercial internacional. Os fatos, segundo a denúncia, ocorreram entre setembro de 2011 e junho de 2012. Como Lula tem mais de 70 anos, o crime de tráfico de influência prescreveu em relação a ele, mas não para o empresário.
Denúncia

O MPF se baseou em e-mails encontrados após busca e apreensão realizada no Instituto Lula em março de 2016 durante a Operação Aletheia, 24ª fase da Operação Lava Jato de Curitiba. Segundo o MPF, o ex-ministro do Desenvolvimento do governo Lula Miguel Jorge comunicou à Clara Ant, diretora do Instituto Lula, que o ex-presidente havia dito a ele que gostaria de falar com Geo sobre o trabalho da ARG na Guiné Equatorial. Segundo o ex-ministro informava no e-mail, a empresa estava disposta a fazer uma contribuição financeira ao Instituto Lula.

Em maio de 2012, Geo encaminhou para Clara Ant, por e-mail, uma carta digitalizada de Teodoro Obiang para Lula e pediu que fosse agendada uma data para encontrar o ex-presidente e lhe entregar a original. Geo disse também que voltaria à Guiné Equatorial em 20 de maio e que gostaria de levar a resposta de Lula a Obiang.

O ex-presidente escreveu uma carta a Obiang, datada de 21 de maio de 2012, em que mencionava um telefonema entre ambos e sua crença no fato de que a Guiné Equatorial poderia ingressar, futuramente, na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. No mesmo documento, Lula informava que Rodolfo Geo dirigia a ARG, “empresa que já desde 2007 se familiarizou com a Guiné Equatorial, destacando-se na construção de estradas”. A carta foi entregue em mãos a Obiang pelo empresário.

“A denúncia não aponta qualquer ato concreto praticado por Lula que pudesse configurar a prática de lavagem de dinheiro ou tráfico de influência”, disse a defesa de Lula.

O MPF juntou à denúncia o registro da transferência bancária de R$ 1 milhão da ARG ao Instituto Lula em 18 de junho de 2012. Recibo emitido pela instituição na mesma data e também apreendido na entidade registra a doação do valor. No entanto, o MPF avalia que foi um pagamento de vantagem a Lula por influência ao presidente de outro país. A doação seria uma dissimulação da origem do dinheiro ilícito, segundo a denúncia, o que configuraria crime de lavagem de dinheiro.

A defesa de Lula nega a acusação. “A doação questionada foi dirigida ao Instituto Lula, que não se confunde com a pessoa do ex-presidente. Além disso, trata-se de doação lícita, contabilizada e declarada às autoridades, feita por mera liberalidade pelo doador”, diz o advogado de Lula.
credito agencia brasil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compre agora aqui com o nosso Parceiro

Três pessoas são detidas com 20,6 kg de maconha em Caruaru



Um casal e um adolescente, de 17 anos, que transportavam 20,6 kg de maconha foram detidos nesta quarta-feira (16), pela Polícia Rodoviária Federal na BR 232, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. O veículo utilizado para o transporte do entorpecente possuía registro de roubo e utilizava placas clonadas.
Durante uma fiscalização na rodovia, os policiais deram ordem de parada a um carro, que se evadiu e fugiu em alta velocidade. A equipe realizou o acompanhamento do veículo, que foi abordado no quilômetro 138, próximo ao Sítio Peladas.

Pouco antes da abordagem, um dos passageiros conseguiu fugir e três ocupantes do carro foram detidos. Ao verificar o porta-malas do automóvel, foram encontrados dois sacos contendo diversos tabletes de maconha.

O grupo foi encaminhado junto com o entorpecente à Delegacia de Polícia Civil de Caruaru, que irá investigar o caso.

Rato e flagrado roendo queijo em supermercado


Está circulando nas redes sociais o vídeo produzido por cliente de um supermercado do bairro do Recreio, no Rio de Janeiro. O rato foi visto fazendo a festa em cima de queijos.

O vídeo foi feito no último sábado (12) e mostra o animal andando sobre os queijo e depois roendo uma das embalagens do balcão refrigerado. Revoltados, os clientes acionaram a gerência.

Em nota, o supermercado informou que os produtos do setor envolvido foram recolhidos e devidamente descartados. A empresa também informou que foram realizados procedimentos para garantir a segurança da operação da unidade, onde não foi detectada qualquer infestação, mas a Vigilância Sanitária do Município informou que não foi acionada

PF combate grupo criminoso liderado por presidiários no Maranhão


Por Agência Brasil

Uma organização criminosa especializada em tráfico de armas e drogas é alvo da Operação Intramuros, deflagrada na manhã desta terça-feira (15) em três cidades do Maranhão: São Luís, Imperatriz e Codó. As investigações identificaram líderes de facções que comandavam as ações da quadrilha de dentro dos presídios.

O serviço de inteligência da PF levantou que a organização tinha uma estrutura de comando piramidal com um setor responsável por planejar e realizar tráficos de drogas, armas e outros crimes no Maranhão e em outros estados.

Os policiais federais estão cumprindo 32 mandados de prisão preventiva e 32 de busca e apreensão em endereços dos investigados. As ordens judiciais foram autorizadas pelo juiz Francisco Ronaldo Maciel Oliveira, da 1.ª Vara Criminal de São Luís.

O nome da operação, Intramuros, é uma referência ao fato de algumas lideranças da organização serem presidiários. Os investigados serão indiciados pelos crimes de tráfico de drogas, porte ilegal de armas e organização criminosa.

Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar a R$ 34 milhões


Por Agencia Brasil

Ninguém acertou o prêmio principal da Mega-Sena e o prêmio estimado pela Caixa Econômica Federal para o próximo concurso é R$ 34 milhões.

As dezenas do concurso 2.197, sorteadas nesta segunda-feira (14), no Espaço Loterias Caixa, em São Paulo, foram as seguintes: 03 - 11 - 29 - 35 - 44 - 57.

A quina saiu para 150 apostas e cada uma vai pagar R$ 20.886,96. A quadra teve 7.727 ganhadores. Eles vão receber, cada um, R$ 579,23.

O concurso 2.198 será realizado na próxima quarta-feira (16). As apostas podem ser feitas até as 19h do dia do sorteio em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa, em todo o país. O bilhete simples, com seis dezenas marcadas, custa R$ 3,50.