Cultura pulsando em toda parte; cerca de quinhentas apresentações artísticas e mais de três mil artistas circulando por uma cidade. Tome agasalho e capas de chuva para acompanhar os sete palcos de música de todos os os gêneros, para todos os gostos: pop, forró, instrumental, cultura popular, erudita, experimental, dos mais intimistas aos de lotar a praça com uma média estimada em 60 mil pessoas. Essa foi a média de público circulante pela Esplanada Dominguinhos e adjacências, durante os dez dias do maior festival de arte e cultura da América Latina. Ao todo, a organização estima que em torno de 600 mil pessoas circularam pela cidade, durante os 10 dias do evento.


No circo, no teatro, nos espetáculos de dança e no cinema, lotação registrada em todas as sessões. A visitação também foi intensa na Casa Galeria Galpão, na Praça da Palavra, no Pavilhão do Artesanato e no Polo Gastronômico. O 29º FIG acaba, como todos os anos, com gosto de quero mais. Mas, antes que chegue à 30ª edição, a coordenação do festival faz um balanço não só quantitativo, mas sobretudo qualitativo deste evento que já é um dos mais importantes do calendário artístico e cultural do país.

Totalmente concebido e realizado pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Cultura e da Fundarpe, em parceria com a Prefeitura de Garanhuns e apoio da Cepe Editora, Sesc e Sebrae, o FIG neste ano lançou uma ferramenta que permitirá que a gestão avalie seus impactos e promova melhorias para sua 30ª edição. A pesquisa foi uma parceria da Secult e Fundarpe com o App Colab e, para quem ainda não participou, há tempo ainda de baixar o aplicativo e responder às questões.

“Tivemos um FIG exitoso, de excelente qualidade artística e técnica, e que queremos melhorar ainda mais para o próximo ano, quando o festival completa trinta edições. Para isso, lançamos essa novidade, uma pesquisa inédita que está sendo respondida pelos que viveram o FIG, promovida graças a parceria com o aplicativo Colab, um projeto piloto que vai nos auxiliar a aprimorar o evento nas próximas edições. Destaco ainda o Figuinho, uma programação especialmente montada para as crianças que são um público cativo e muito especial para o FIG; além da Plataforma FIG, que começou o contato com a América Latina, o que é um marco para o FIG. Quem sabe uma internacionalização, através de uma parceria?”, coloca Gilberto Freyre Neto, secretário de Cultura de Pernambuco.

Fruição, produção artística e cultural, troca de saberes e formação cultural. São essas características que tornam o festival único em seu conceito. Mesmo o público que vem só para curtir as atrações, para brincar, termina aprendendo e levando consigo um aprendizado muito maior, que reverbera e contribui para que ele passe a ouvir, ler, assistir e ser plateia para outras produções culturais, seja produzida em Pernambuco, seja de qualquer lugar do mundo. Do local para o universal, da raiz para o contemporâneo. A programação do FIG contribui para uma compreensão maior sobre a formação da identidade do nosso povo. Ensina ainda sobre respeito, diversidade, tolerância, consciência política, liberdade e comunhão.

“O FIG de 2019 foi o melhor dos últimos tempos. Alguns motivos nos levam a essa convicção. Entre eles podemos falar do maior investimento feito em mídia, que gerou um conhecimento maior da população do que acontece em Garanhuns nesses dez dias de festival. O próprio público, incluindo os artistas contratados, reconheceu a qualidade artísticas das atrações selecionadas lotando todos os polos de atração, a rede hoteleira e as ruas, com restaurantes cheios e forte movimento do comércio. Tivemos ainda uma ampla cobertura da imprensa, inclusive a nacional, o que no final resultou no FIG alegre, de paz e celebração”, destacou o presidente da Fundarpe, Marcelo Canuto.

O FIG se destacou esse ano também pela presença da acessibilidade comunicacional, com ações voltadas para pessoas com deficiência auditiva e visual e contratação de profissionais com deficiência também. Foram vinte e seis profissionais ao todo. Entre eles, intérpretes de libras nos palcos Dominguinhos e de Cultura Popular; audiodescrição no teatro e no circo; além da presença do roadie Luan Albuquerque, que encontrou ambiente propício para executar sua função.

Durante os dias do festival, a Secult levou para o FIG a campanha do Mapa Cultural de Pernambuco. A plataforma digital reúne informações sobre agentes, espaços, eventos e projetos culturais, e é uma ferramenta para construção de indicadores culturais que auxiliem na construção de políticas públicas para a cultura, pelo governo. “Nosso objetivo é mostrar como o mapa funciona e qual o seu objetivo. Mesmo com a agitação do FIG, as pessoas estão se mostrando interessadas no tema e a aceitação está sendo bem legal. Vários visitantes, inclusive, já tinham cadastro no Mapa, mas muitas outras pessoas não tinham”, contou Valentine Herold, coordenadora do Mapa Cultural de Pernambuco, que apresentou a plataforma para o público em alguns espaços do FIG.

DESTAQUES
“Uma marca desta edição, que tem se consolidado, é a diversidade. A possibilidade que o Governo do Estado traz para a população de ver espetáculos nas mais diversas linguagens que talvez, por conta de tantas coisas, não circulariam aqui, neste país de dimensão continental. Eu acho que isso é o que mais me emociona e me impulsiona a coordenar este festival, porque acredito muito na força transformadora da cultura. E a força que o FIG tem enquanto impulsionador da cultura, da economia da cultura e para trabalhar o olhar do público. Tivemos registros de todos os polos lotados”, avalia André Brasileiro, curador e coordenador-geral do FIG. Ele destaca ainda o modelo pelo qual os artistas foram selecionados. "As convocatórias são públicas e neste ano trabalhamos com quase 95% dos nomes que compuseram a programação selecionados a partir desta convocatória, dentro do perfil de cada noite e do perfil do FIG de uma maneira geral", ressalta.

PALCOS
O Palco Pop se destacou mais uma vez pela diversidade musical, com destaque para a cena pop mais alternativa, periférica e underground. Destaque para os shows de Jards Macalé, já no primeiro dia, que trouxe muitos fãs, de vários lugares do Nordeste, que acompanham sua carreira há anos. O rap se fez presente nordestino, como Diomedes Chinaski, e o carioca MV Bill, que reuniu o maior público do pop, em torno de 5 mil pessoas. Nos demais dias, o palco reuniu um público em torno de 3 mil pessoas.

No Palco Dominguinhos, o FIG rendeu-se a um dos gêneros mais curtidos pelos pernambucanos e trouxe acertadamente o gênero brega, escalando artistas que construíram carreiras sólidas sem ter que apelar para a vulgarização e outras violências. Aliás, violência foi algo que passou longe dos palcos do FIG. Nenhuma ocorrência grave foi registrada pela Polícia Militar. Depois da noite do brega - que chegou a registrar um público em torno de 60 mil pessoas - o Dominguinhos registrou praça completamente lotada em todas as noites. Termômetro para a escolha acertada das atrações. Shows como os da homenagem a Jackson do Pandeiro, Céu, Letrux, Barão, Toni Garrido, Lenine, Alcione, Elba Ramalho, Otto, Roberta Miranda atraíram não apenas o público do artista mas aquele que já é cativo da Esplanada Mestre Dominguinhos, sinônimo de excelentes shows, nos encerramentos das noites do FIG.

Pelo Palco Instrumental passaram grandes artistas da cena instrumental do Recife, de Garanhuns e do Brasil como um todo. O palco é uma grande vitrine para músicos que tocam para um público de ouvido mais exigente, que vão ao palco para apreciar aqueles que podem ser enquadrados no experimentalismo da música instrumental. O local chegou a registrar um público de até duas mil pessoas, segundo o coordenador Antônio Pinheiro. Ele também comentou sobre a ação do Figuinho, que pela primeira vez ocupou o Parque Ruben Van Der Linden, no mesmo palco das bandas instrumentais. “Tivemos vivências circenses, contação de histórias que envolveram o público, e a apresentação de Carol Levy, que considero o ponto alto do palco. Foi um espaço de interação com a família que eu espero que se repita nos próximos anos”, comentou.

O Palco do Forró é um palco muito apreciado pela população mais tradicional de Garanhuns, que valoriza os artistas mais regionais e gosta de dançar. “A rua fica cheia e muito animada. O povo vai para dançar, cantar com seus artistas, não tivemos registros de brigas e tudo ocorreu na maior paz”, diz Lúcia Ramos, coordenadora do Palco Forró, que estimou um público de cerca de 3 mil pessoas por noite do Forró.

O Palco de Cultura Popular Ariano Suassuna recebeu em sua programação as mais diversas manifestações populares do Estado, entre elas os Patrimônios Vivos de Pernambuco. O espaço também recepcionou artistas e grupos de Garanhuns e do Agreste Meridional e atividades culturais vivenciadas nas unidades escolares de Ensino Médio da região. “Foram oito dias de alegrias e emoções, com apresentações que mostraram ao público o brilho, a beleza e a resistência daqueles que mantêm viva as nossas tradições culturais”, diz Tereza Amaral, coordenadora de Cultura Popular da Secult.

A programação reuniu 106 apresentações, dentre elas cinco Patrimônios Vivos de Pernambuco (Tribo Indígena Carijós do Recife, Clube Carnavalesco Mixto Seu Malaquias, Banda Saboeira, Clube Carnavalesco Misto Cariri Olindense, Mestre Galo Preto). Cerca de 2500 artistas, brincantes e alunos das escolas públicas passaram pelo local, que reuniu um público estimado em três mil pessoas por dia. O Espaço Mamulengo, que aconteceu na estrutura do Som na Rural, durante três dias, aconteceram ainda cinco apresentações de artistas da cultura popular do Estado, incluindo o Patrimônio Vivo, Mestre Zé Lopes.

Catedral - A Catedral de Santo Antônio já se tornou o espaço de música mais concorrido do FIG. Com uma capacidade em torno de 800 pessoas sentadas (ainda havia o público que ocupava os fundos e a lateral), a igreja ficou lotada todos os dias para assistir as apresentações programadas pelo Conservatório Pernambucano de Música e pelo Festival Virtuosi na Serra. Destaques para as apresentações de SaGrama com Antônio Nóbrega, Leila Pinheiro, Sheyla Costa cantando Elis Regina, e a Orquestra Jovem de Pernambuco.

Som na Rural - O pavilhão que abrigou o Som na Rural, neste ano, no FIG conservou, segundo o coordenador Roger de Renor, as características conceituais do projeto, que são de deixar o artista bem perto do seu público, como nas ações de rua habituais do projeto. “As pessoas têm acesso liberado para falar com o artista sem muitas barreiras e, ao mesmo tempo, esse padrão de palco permite que o público tenha o conforto necessário porque o local é coberto e dá ao artista uma condição técnica, de som e luz, que nas edições da rua não tem”, diz Roger.

Ele ressaltou o feedback dado pelos próprios artistas, que ficam duplamente satisfeitos. Primeiro por estarem na programação do FIG e depois por tocarem no Som na Rural, que tem uma chancela, uma marca própria. Também foi destaque o fato da Rural ter sido comandada por uma equipe formada apenas por mulheres, o que evidenciou a excelência do trabalho técnico desenvolvido por elas, dentro de funções majoritariamente comandada por homens.

Plataforma FIG - Já consagrada, a Plataforma FIG reuniu os diversos profissionais do segmento de música do Estado e do Brasil, numa série de mesas redondas, debates e palestras que buscaram atrair novas parcerias para impulsionar a cadeia produtiva local. Neste ano, a ação teve como foco a construção de pontes entre o Brasil e seus países vizinhos, fortalecendo o reconhecimento do Brasil como um país latino-americano e a exportação da cena pernambucana para esses países.

Para isso, foram convidados representantes de vários festivais brasileiros, como Música Mundo (BH), RecBeat (PE), Queremos (RJ), Coma (BSB), Maloca (CE), Mada (RN), Conexão Latina (SP), Festival MUCHO (SP) e Festival Radioca (BA), e produtores internacionais, como Paula Rivera, presidenta do Instituto Nacional de Música da Argentina, e Hernan Halak (ARG), vice-presidente da MMF Latam e diretor da produtora cultural Mundo Giras e do Festival MUCHO. O evento contou com a curadoria e produção de Priscila Melo (SP).

"A Plataforma FIG já se consolidou como um lugar de diálogo, de troca de conhecimento, experiências e informações, fomentando uma análise do mercado atual e novos possíveis formatos. Então, quando investimos na internacionalização das nossas parcerias, queremos sinalizar aos produtores daqui do Brasil e de fora que é possível apostar em nossos artistas e, com isso, abrir novos mercados", avaliou Andreza Portela, coordenadora de Música da Secult.

Redes sociais - As páginas da Secult-PE/Fundarpe e do Festival de Inverno de Garanhuns registraram, desde o último dia 18 de julho, um engajamento de público de mais 1,6 milhão de usuários trafegando nas duas redes. Além disso, ganharam 11 mil novos seguidores nos perfis oficiais do Instagram. O perfil oficial do FIG (@festivaldeinvernodegaranhuns) alcançou mais de 20 mil seguidores, e do Cultura.PE (@cultura.pe) mais de 15 mil.

Polo da Dança - A programação de Dança do 29º FIG teve como foco a diversidade da dança brasileira. A curadoria trouxe grupos, coletivos e companhias de dança que se inspiram nos universos poéticos reais dos povos que nos constituem como nação. “A urbanidade das cidades, os mitos africanos, o sertão nordestino, as relações amorosas, nossos ancestrais indígenas, além do já absolvido legado ocidental. O FIG foi uma aula sobre o povo brasileiro, e o público se encantou com tudo isso, pois marcou presença assídua, lotando o Salão Jaime Pincho/Sesc durante os seis dias de programação”, comenta a coordenadora de dança da Secult e das ações de dança no FIG, Maria Paula Costa Rêgo.

Ela destaca ainda, como novidade, a ação Interações Estéticas, que consistiu na troca de conhecimentos entre duas companhias de dança, fortalecendo as relações profissionais e o crescimento mútuo. Os bailarinos da cidade tiveram também a oportunidade de fazer oficinas de dança com renomados professores de dança do cenário nacional.

Teatro - A programação reuniu 23 espetáculos de teatro, entre eles, alguns premiados em Pernambuco e do Brasil. Falaram de afetividades, e de como esses territórios de afeto conseguem romper barreiras, subverter as dores e as dificuldades do humano. “Falamos de deficiência, de corpos e ausências. Fizemos acontecer um teatro que fricciona realidade, utopias, política e ficção. Fizemos sessões extras, e ingressos esgotados todos os dias”, ressalta José Neto, assessor de teatro e ópera da Secult e das ações de artes cênicas no FIG. Os polos teatrais do FIG receberam em torno de dez mil espectadores.

O Teatro Luiz Souto Dourado sediou a Mostra Adulto e a Mostra para Infância. O Teatro Alternativo, em sua quarta edição ocupando os espaços da cidade, transformou lugares convencionais em casas de espetáculo e teve grande repercussão”, diz o coordenador. Alessandra Maestrini, Matheus Nachtergaele, Gilberto Gawronski, Ana Carolina Marinho, Cristiano Burlan, Ariadne Antico, Coletivo Grão Comum, Lívia Falcão, Tânia Farias, Tropa do Balacobaco, Cênicas Cia. de Repertório, Robson Torinni e muitos grandes nomes passaram por Garanhuns, envolvendo o público na arte do encontro, o teatro.

Praça da Palavra - Homenageando o escritor Jomard Muniz de Brito, a Praça da Palavra recebeu um público médio circulante de cinco mil pessoas, nos dez dias do evento. Além da mostra de livreiros, o local promoveu lançamento de livros com debate com os autores, contação de histórias, recitais e musicais. “O público destacou a riqueza da programação, a variedade de atividades que oferecemos, com uma programação riquíssima que mais uma vez atendeu as expectativas”, avalia Roberto Azoubel, coordenador de literatura da Secult e do espaço.

Espaço Patrimônio - O FIG também recebeu neste ano a exposição comemorativa dos onze anos da Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco. No espaço, localizado na Praça Luiz Souto, além da mostra, o local recebeu ações na área de preservação patrimonial e, num dos estandes, o público pode registrar seu apoio, por meio de um abaixo assinado, à titulação da ciranda como Patrimônio Imaterial do Brasil. “Tivemos uma visitação expressiva nestes últimos dias. Pessoas de vários municípios nos procuraram para fechar novas ações e parcerias, o que demonstra o potencial das nossas atividades”, conta Roberto Carneiro, responsável pelo Espaço do Patrimônio no FIG.

Circo - Os espetáculos de circo registraram lotação esgotada em todas as onze sessões. Quase 15 mil pessoas compareceram ao espaço. Entre os destaques da ação de Circo no FIG temos a duplicação dos espetáculos nos finais de semana, o lançamento do Prêmio Palhaço Cascudo de Incentivo às Artes Circenses 2019, a presença de números circenses na abertura do espaço do Teatro Alternativo e no Palco do Som Na Rural, além de atividades circenses no parque Rubem Van Der Linden, voltado para público infanto-juvenil, dentro da programação do Figuinho. A Patrimônio Vivo de Pernambuco, Índia Morena foi um destaque a parte na programação, como mestre de cerimônia da Mostra de Números Circenses. “Os circos intinerantes são o grande eixo de sustentação e do encantamento da programação de circo no FIG. Com o aumento de mais três espetáculos foi possível atender a um público maior, numa demonstração de que a população de Garanhuns é cativa na lona e valoriza bastante as artes circenses”, avalia Jorge Clésio, assessor de circo da Secult.

Casa Galeria Galpão - Com endereço novo na avenida Rui Barbosa, a mais movimentada de Garanhuns, a Casa Galeria Galpão superou as expectativas de público e, no dia do seu encerramento, neste sábado (27) a expectativa é que supere a marca de cinco mil visitantes. O local reuniu exposições das linguagens de fotografia, design e moda, e artes visuais. “Mais uma vez a Casa Galeria Galpão conseguiu cumprir um papel importante no FIG, o que demonstra a força dessas três linguagens - Artes Visuais, Fotografia e Design e Moda - e estimula os produtores e artistas a apresentarem propostas de exposições cada vez melhores. O espaço esse ano ficou numa boa localização, o que permitiu uma excelente visitação”, diz Márcio Almeida, coordenador de artes visuais da Secult.

Pavilhão do Artesanato - Um público estimado em 4 mil pessoas por dia circulou pelo Pavilhão do Artesanato, que contou com 76 estandes de artesãos de Pernambuco. “Além dos indicadores objetivos, temos os indicadores subjetivos. Os artesãos se mostram satisfeitos, valorizam e defendem essa ação com o artesanato e a gente percebe a integração e a confraternização entre eles, o que também é muito importante. Contamos com a presença dos Patrimônios Vivos Mestre Saúba e o Mestre Zé Lopes, além de dois pontos de cultura, a Rede Mestres de Brinquedos e a tribo Fulni-ô, de Águas Belas”, conta Breno Nascimento, assessor de artesanato da Secult. Ele estima que, ao final da feira, seja contabilizado um faturamento em torno de R$ 250 mil em produtos comercializados.

Audiovisual - Ao longo dos últimos dias, o Cine Eldorado reuniu, em suas 12 sessões, em torno de 1,2 mil pessoas. Além da Mostra Infantil, que exibiu filmes e animações pela manhã, a programação do audiovisual contou com a estreia dos filmes "Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar", dirigido por Marcelo Gomes, e Jackson, na batida do pandeiro, dos cineastas Marcus Vilar e Cacá Teixeira. "A exibição dos nossos filmes permitiu uma troca muito interessante com o público, pois, além de conhecer os filmes e animações de produções pernambucanas e brasileiras, eles puderam conversar diretamente com os diretores sobre suas impressões, num diálogo aberto e enriquecedor", conta a coordenadora de Audiovisual da Secult, Luciana Poncioni.

Formação Cultural - “Este ano podemos dizer que retomamos uma importante tradição do Festival de Inverno de Garanhuns, no que diz respeito ao papel e ao investimento na Formação. “Trouxemos alguns importantes nomes nacionais para fazer repasse de ‘saberes e inquietações’ no que diz respeito à gestão e à produção artística, que são fundamentais, no atual momento de cortes, pelo governo federal, dos recursos para fomentar a Cultura no Brasil”, avalia Tarciana Portela, gerente de Formação Cultural da Secult.

Além das oficinas de formação cultural - que procuraram atender a demandas de qualificações na área da produção cultural já identificadas anteriormente, inclusive para o público garanhuense, a formação cultural no FIG envolveu duas ações especiais: o Seminário Arte Contemporânea em Perspectiva e a Plataforma FIG. Quase 600 pessoas foram atendidas por todas as ações de formação. O projeto Outras Palavras também foi retomado pela Secult, durante o FIG, numa edição especial dentro da Praça da Palavra.

Gastronomia - No Instituto Histórico Geográfico e Cultural de Garanhuns instalou-se neste ano o Polo de Gastronomia do FIG. Todos os assentos ficaram lotados, diariamente, para receber chefs de cozinha, alguns bem famosos, como Carmem Virgínia, que foram lá preparar seus pratos. “A gastronomia este ano teve como tema a sustentabilidade. Todos os convidados trouxeram reflexões acerca da gastronomia enquanto cultura, pensando na sustentabilidade. A viabilidade desta ação se deu inclusive pelo encontro de todos os convidados, com relação de troca de conhecimentos. A ocupação superou as expectativas todos os dias”, comenta a assessora de Gastronomia da Secult, Ana Claudia Frazão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Funase licita computadores para laboratórios do Parque Profissionalizante


Novo prédio da instituição, restaurado por meio de convênio com o MPT-PE, deve formar até dois mil socioeducandos por ano em cursos de áreas diversas. Equipamentos também atenderão 16 laboratórios descentralizados


Em Pernambuco, recursos oriundos de multas trabalhistas obtidas em ações judiciais estão sendo utilizados para dar oportunidades de inserção profissional a adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas. Por meio de um convênio com a Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase), o Ministério Público do Trabalho (MPT) destinou o montante de R$ 446,3 mil para a aquisição de 200 computadores, que vão equipar laboratórios de informática voltados a esse público. A licitação para a compra dos equipamentos, conduzida pela Funase e publicada no Diário Oficial do Estado, recebe propostas até o dia 10 de setembro.



Os laboratórios funcionarão em 16 microparques profissionalizantes a serem instalados, até dezembro, dentro de unidades da Funase em todo o Estado. Além disso, cerca de R$ 60,5 mil, também direcionados pelo MPT, foram utilizados na reforma de um imóvel no bairro de Afogados, no Recife. Em processo de equipagem, o prédio vai sediar o Parque Profissionalizante, que ofertará cursos em áreas como eletrônica, informática, barbearia, artesanato, culinária e produção audiovisual, com operação de instrutores do Eixo Profissionalização, Esporte, Cultura e Lazer da Funase. A expectativa é de que sejam formados até dois mil jovens por ano.



A procuradora do Trabalho Jailda Pinto, coordenadora regional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente do MPT em Pernambuco, diz que a parceria já despertou o interesse de outros estados. “O trabalho desenvolvido pela Funase não só legitima a destinação de recursos para o Parque Profissionalizante, como chama a atenção de outras regionais do MPT, como a de Minas Gerais, que demonstrou interesse pela queda no índice de reincidência no sistema socioeducativo de Pernambuco”, avalia. “O grande objetivo das destinações do MPT é promover ações transformadoras junto a órgãos e entidades que prestam serviços relevantes à sociedade. Ver a aplicação desses recursos em ações de capacitação de adolescentes é ainda mais satisfatório para o MPT”, completa a procuradora do Trabalho Maria Roberta Rocha, responsável pela destinação dos recursos.



No mesmo sentido, o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Sileno Guedes, destaca que a parceria com o MPT mostra à sociedade a importância de investir em oportunidades profissionais para o público do sistema socioeducativo. “Em Pernambuco, a qualificação profissional de adolescentes atendidos pela Funase é reconhecida como uma prática de impacto na queda da reincidência em atos infracionais, ou seja, na forma como devolvemos esses adolescentes ao convívio em sociedade”, analisa. “Aumentar a capacidade de formação profissional, no projeto com o MPT, é algo que gera grandes expectativas em todos nós. O projeto está muito perto de chegar à etapa de funcionamento”, complementa a presidente da Funase, Nadja Alencar.



Empresas interessadas em participar do processo licitatório para a aquisição dos computadores que serão usados no projeto podem obter outras informações no site www.funase.pe.gov.br, na aba Licitações. Dúvidas também podem ser esclarecidas junto à Comissão Permanente de Licitação da Funase, de segunda a sexta, das 8h às 14h, por meio do telefone (81) 3184.5421.

CAIXA AMPLIA O PRAZO DA PAUSA NA PRESTAÇÃO DOS CRÉDITOS COMERCIAIS PARA 180 DIAS

                         Caixa amplia o prazo da pausa na prestação dos créditos comerciais para 180  dias

A medida é válida para pessoas físicas e jurídicas que já solicitaram a pausa por 90 dias e para novas solicitações



A CAIXA amplia a possibilidade de pausa nas prestações dos créditos comerciais de pessoas físicas e jurídicas para um período de até 180 dias. A medida vale para contratos como os de Renegociação, CDC, Microcrédito, Construcard e Crédito Auto.



Segundo o presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, a medida facilita o planejamento do orçamento familiar durante a pandemia da COVID-19. “A CAIXA estendeu a pausa para todos os segmentos de crédito como mais uma medida importante do banco no suporte às famílias brasileiras”, afirma.



A ampliação do prazo de 90 para até 180 dias é mais uma ação da CAIXA para oferecer aos clientes alternativas para enfrentar os efeitos causados à economia pela pandemia do COVID-19.



Regras da pausa e cobrança de encargos:



Os clientes que já tiveram a pausa de 90 dias concluída ou em andamento podem solicitar a prorrogação do prazo por mais 90 dias. Quem ainda não optou por essa alternativa, também pode solicitar a pausa de até 180 dias.



Com a pausa, os valores das demais prestações serão alterados e os juros do período pausado serão distribuídos pelas demais parcelas, aumentando o valor da prestação mensal. O prazo final de pagamento do contrato também é postergado automaticamente, permanecendo a quantidade de parcelas a pagar, taxa de juros e demais condições contratadas.



No caso de empréstimos com atraso, o período pausado considera as parcelas atrasadas e os encargos por atraso também são incorporados ao saldo devedor.

A CAIXA esclarece que não fará a prorrogação do prazo de maneira automática, sendo necessária a manifestação do cliente.



Quem pode solicitar:



Clientes com contratos de crédito parcelado PF e PJ em dia ou com até 50 dias em atraso.



Quando não é possível fazer a solicitação:


Caso o tipo de empréstimo não esteja entre as modalidades passíveis de pausa;
Caso o contrato já tenha atingido o limite máximo de parcelas pausadas;
Caso o contrato tenha tido carência na contratação, o período da pausa estará limitado até 6 parcelas no total.

Como solicitar:



Pedido de Pausa de até 3 parcelas - Solicite pelo Internet Banking Caixa ou pelo App Caixa, opção "crédito" > "pausar contratos".



Pedido de Pausa de até 6 parcelas - Ligue 0800 726 8068, opção 2 ou fale no WhatsApp pelo telefone 0800 726 0104, opção 4. 



Construcard e Crédito Auto – A solicitação deve ser feita exclusivamente por meio do WhatsApp 0800 726 0104.



Os clientes da Agência Digital podem ligar para 3004 8104 (capitais e regiões metropolitanas) e 0800 208 8104 (demais regiões).

Pesquisa Google

Nova cédula de R$ 200 entra em circulação nesta quarta-feira


Nota de R$ 200 começa a circular na quarta-feira

A nova nota de R$ 200, com a imagem do lobo-guará, começará a circular no Brasil nesta quarta-feira (2). Segundo o Banco Central (BC), será a sétima cédula da família de notas do Real. Serão produzidos neste ano 450 milhões de unidades.


A cerimônia de lançamento das novas cédulas será transmitida pelo canal do BC no YouTube. O Banco Central divulgará a imagem da nova cédula no dia 2.


O lobo-guará foi escolhido em pesquisa realizada pelo BC em 2001 para eleger quais espécies da fauna brasileira deveriam ser estampadas nas cédulas do país. No site do Banco Central, há mais informações sobre a nova cédula de R$ 200.


De acordo com o BC, o lançamento da nova nota é uma forma de a instituição agir preventivamente para a possibilidade de aumento da demanda da população por papel moeda.


Por Agencia Brasil

Pernambuco recebe mais 35 respiradores para equipar hospitais na capital e interior

Foto: Hélia Scheppa/SEI
Aparelhos adquiridos pelo Governo do Estado a uma empresa de São Paulo seguirão para as cidades do Recife, Vitória de Santo Antão, Goiana, Garanhuns e Serra Talhada
O Governo de Pernambuco recebeu, na tarde desta terça-feira (19), mais 35 respiradores comprados à empresa Intermed. Os equipamentos fazem parte de um lote de 100 aparelhos adquiridos no mês de março. Os primeiros 35 foram entregues graças a uma decisão da Justiça, que determinou a busca e apreensão na empresa, localizada no Estado de São Paulo, que não entregou na data correta. Já os de hoje chegaram ao Estado dentro do prazo. Nos próximos dias a empresa deverá realizar a entrega dos 30 equipamentos restantes.

Dez dos 35 respiradores recebidos hoje serão enviados ao Hospital João Murilo, em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata. Outros dez vão para o Hospital Referência Covid-19 Recife, em Boa Viagem (antigo Alfa). Seis aparelhos seguirão para a UPAE de Goiana, município da Mata Norte; cinco irão para o Hospam de Serra Talhada, no Sertão do Pajeú; e quatro vão para a UPAE de Garanhuns, no Agreste Meridional.

MAIS ISOLAMENTO – Um balanço dos resultados diários das pesquisas publicadas pelo instituto Inloco, feito hoje, indica que as medidas restritivas começam a apresentar resultados positivos na questão do isolamento social. Essa taxa, em Pernambuco chegou aos 49,5%, na última segunda-feira (18), um aumento de 2,5% em relação ao dia 11. No Recife esse percentual foi ainda maior, chegando aos 55,5%. Olinda vem logo depois, com 55,4%, seguida de Jaboatão dos Guararapes, com 52,2% de taxa de isolamento. Camaragibe registrou 52,5% e São Lourenço da Mata marcou 51,8%. A média de Pernambuco foi a mais alta do Brasil, de acordo com a Inloco.

A Operação Quarentena contabilizou, até o momento, um total de 11.368 veículos abordados e 13.200 pessoas orientadas nas ruas dos cinco municípios da Região Metropolitana desde seu início, no sábado passado (16). As blitzes continuarão diariamente até 31 de maio, quando termina a validade das medidas restritivas de circulação de pessoas. Nesta terça (19), foram ativados 43 pontos de bloqueio montados no Recife e em Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata.

Somente na segunda (18), o efetivo realizou abordagens a 4.675 veículos, a fim de conferir a obediência ao rodízio e o deslocamento comprovado para exercer uma atividade essencial. As equipes deram orientações a 4.286 pedestres, reforçando que podem sair de casa apenas as pessoas que justifiquem o trabalho ou acesso a uma necessidade essencial. Ninguém precisou ser conduzido coercitivamente por desobediência às normas do decreto.

Estabelecimentos comerciais, bares e restaurantes têm sido igualmente alvo de fiscalizações, nas quais o Corpo de Bombeiros Militar e a Polícia Militar atuam em conjunto com equipes de controle urbano e vigilância sanitária das cidades abrangidas pelos decretos. Nos três dias de operação, 4.308 locais foram fiscalizados. Desses, 1.517 estavam abertos regularmente, 2.555 já se encontravam fechados e 236 tiveram de fechar as portas após a fiscalização.

AÇÃO SOCIAL – A Ação Integrada de Quarentena levou para a população de Vera Cruz, em Aldeia, município de Camaragibe, a necessidade de todos obedecerem ao isolamento social como medida de proteção e prevenção contra os riscos de contágio pelo novo coronavírus. Também foi realizada a higienização de ruas, sendo utilizados dois mil litros de produtos.

Equipes formadas por servidores do Estado, da Prefeitura de Camaragibe e voluntários da Central Única das Favelas em Pernambuco (Cufa-PE) distribuíram duas mil máscaras de tecido compradas ao polo têxtil do Agreste e doadas pelo Governo de Pernambuco; foram realizados testes de temperatura corporal em 350 pessoas e instalado provisoriamente um lavatório com água, sabão e toalha descartável à disposição da população. Técnicos em enfermagem fizeram 150 testes rápidos do nível de glicose no sangue e aferiram a pressão de 199 pessoas. Os voluntários entregaram 400 kits de higiene pessoal e limpeza, na Comunidade de Casinhas.

TRANSPORTE – O Grande Recife Consórcio registrou uma redução de 24,95% no volume de passageiros da segunda-feira (18) em relação ao dia 11 de maio. Foram 253.658 passageiros contra 338.005 registrados na segunda feira anterior.

Ampliação de auxílio emergencial pode gerar impacto de R$ 10 bi



A ampliação do auxílio emergencial de R$ 600 para mais categorias de trabalhadores informais pode gerar impacto de cerca de R$ 10 bilhões nas finanças públicas, informou hoje (15) o Ministério da Economia, em nota técnica. A proposta foi aprovada no Senado e está em tramitação na Câmara dos Deputados.

O projeto prevê o pagamento do auxílio emergencial para mães menores de 18 anos de idade. Também permite acumular o auxílio emergencial com o programa Bolsa Família (com direito a, no máximo, dois auxílios emergenciais ou um auxílio emergencial e um Bolsa Família).

Outra medida prevista no projeto é a exclusão da restrição que impede o interessado com renda superior a R$ 28.559,70, auferida no ano de 2018, de ter direito ao auxílio emergencial. Mas estabelece que aqueles que tiverem rendimento superior a esse limite em 2020 e receberem o auxílio deverão devolver seu valor na Declaração de Imposto de Renda de 2021.

Também permite o recebimento do auxílio no valor de R$ 1,2 mil por pais solteiros, não somente mães como atualmente, além de incluir agricultores familiares e pescadores artesanais e empregados domésticos

MEC libera R$ 364 milhões para alimentação escolar em todo o país



O Ministério da Educação (MEC) informou, nesta quarta-feira (29) que foram liberados antecipadamente R$ 364,4 milhões para estados e muncípios aplicarem na alimentação escolar durante a pandemia do novo coronavírus. Os recursos são do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE). O valor é referente à parcela do mês de maio destinada às unidades da federação. 

De acordo com as orientações do FNDE, devido à suspensão das aulas por causa da covid-19, a distribuição de alimentos tem de ser feita por meio de kits, que devem ser elaborados conforme as regras do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), levando-se em conta os hábitos alimentares de cada região e a qualidade nutricional. 

O Pnae oferece alimentação a cerca de 40 milhões de estudantes da educação básica pública em todo o país diariamente. Desde o início do ano, R$ 1,4 bilhão do programa foram destinados a estados e municípios.

Por Agrecia Brasil.

Estudo mostra que novo coronavírus consegue infectar neurônios humanos






Por Agencia Brasil,  Reuters

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) confirmaram que o novo coronavírus (SARS-CoV-2) é capaz de infectar neurônios humanos. Os pesquisadores vão investigar agora de que modo o funcionamento dessas células nervosas é alterado pela infecção. O projeto tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

A constatação ocorreu por meio de experimentos in vitro, ou seja em cultura de células, pela técnica de PCR em tempo real, a mesma usada no diagnóstico da covid-19 em laboratórios de referência. Segundo o professor do Instituto de Biologia, Daniel Martins-de-Souza, coordenador da pesquisa, a partir desse primeiro resultado, o grupo vai comparar as proteínas e metabólitos das culturas celulares antes e depois da infecção pelo novo coronavírus. Dessa forma, será possível observar como o padrão das moléculas muda e então tentar explicar como o vírus age no sistema nervoso central.

“A primeira parte do trabalho era ver se o vírus pode entrar nessas células. A resposta é sim, os vírus entram nos neurônios. O que a gente vai fazer agora é o uso das ferramentas de química analítica que a gente tem e, com uma técnica chamada espectrometria de massas, a gente consegue monitorar moléculas nas células, como proteínas, metabólitos e como os lipídios, por exemplo, que são as moléculas de gordura”, explicou Martins-de-Souza.

Segundo o coordenador da pesquisa, a curto prazo, a previsão é que, com o estudo, se entenda o que o vírus faz quando dentro de um neurônio. “Esse é o segundo passo e o mais importante do nosso trabalho porque é aí que a gente vai conseguir entender e até responder qual é o problema do vírus entrar na célula”.

O pesquisador ressalta que é cedo para conclusões clínicas, mas afirma que a infecção dos neurônios pelo vírus traz a possibilidade de mais riscos aos pacientes. “A gente começou a observar na literatura a aparição de sintomas neurológicos em pacientes. Mas, antes disso até, um dos primeiros sintomas que aparecem em pessoas acometidas pelo coronavírus é a perda de olfato - anosmia -, que é algo mediado pelo sistema nervoso”, disse.

“O fato de haver anosmia, os pacientes apresentarem sintomas neurológicos e já ter alguns estudos saindo, mostrando algumas lesões observadas pós-morte no cérebro de pacientes com covid-19, pode sugerir que, se o vírus de fato chegar ao cérebro, ele pode ser prejudicial para o paciente, mas ainda é muito cedo para afirmar tudo isso”, explicou. Martins-de-Souza reforçou que essa é uma hipótese a ser testada pelos pesquisadores.

TSE lança site para regularização de título de eleitor


PorAgência Brasil
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou hoje (28) uma campanha para regularização eletrônica do título de eleitor. Diante da pandemia do novo coronavírus e o fechamento dos cartórios eleitorais, o TSE pede que os eleitores resolvam as pendências no documento de forma eletrônica, no site criado pelo tribunal.

O prazo vale para quem tem o título e para jovens de 16 anos que vão votar pela primeira vez e querem solicitar o documento. Os eleitores que estiverem com pendências no documento não poderão votar nas eleições de outubro, quando serão eleitos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores nos 5.568 municípios do país.

Com o fim do prazo, o cadastro eleitoral será fechado e nenhuma alteração será permitida, somente a impressão da segunda via do título será autorizada. A medida é necessária para que a Justiça Eleitoral possa saber a quantidade de eleitores que estão em dia com o documento e poderão votar.

No ano passado, 2,4 milhões de títulos foram cancelados porque os eleitores deixaram de votar e justificar ausência por três eleições seguidas. Para a Justiça Eleitoral, cada turno equivale a uma eleição.

Além de ficar impedido de votar, o cidadão que teve o título cancelado fica impedido de tirar passaporte, tomar posse em cargos públicos, fazer matrícula em universidades públicas, entre outras restrições.

Caixa paga 1ª parcela do auxílio emergencial a 5,1 milhões de pessoas



A Caixa paga hoje (28) mais R$ 3,6 bilhões do auxílio emergencial para 5,1 milhões de beneficiários. Deste total, R$ 2,1 bilhões serão destinados para mais 3,26 milhões do total de elegíveis que se inscreveram pelo aplicativo CAIXA | Auxílio Emergencial e pelo site. Mais de R$ 1,7 bilhão serão creditados em contas da Caixa e R$ 341.409.600 em contas de outros bancos.

Segundo a Caixa, desde o dia 9 de abril, quando teve início o pagamento do auxílio emergencial do governo federal, o total de pessoas que tiveram o benefício creditado pelo banco somam 44,3 milhões, num total de R$ 31,3 bilhões. Dentre os inscritos pelo aplicativo e site, 15,2 milhões já receberam o auxílio e totalizarão 18,4 milhões de pessoas com esse novo pagamento.

Até a noite dessa segunda-feira (27), 48,5 milhões de cidadãos já se cadastraram para recebimento do benefício. O site superou a marca de 406,2 milhões de visitas e a central exclusiva 111 registra mais de 90,6 milhões de ligações. O aplicativo Auxílio Emergencial Caixa soma 63,8, milhões de downloads e o aplicativo Caixa Tem, para movimentação da poupança digital, supera 52,7 milhões de downloads.
Poupança e Bolsa Família

A Caixa esclarece que os beneficiários do auxílio emergencial que receberam o crédito em poupança do banco podem movimentar o valor digitalmente pelo Internet Banking ou utilizar o cartão de débito em suas compras. Aqueles que receberam o crédito por meio da poupança digital do banco podem pagar boletos e contas de água, luz, telefone, entre outras, bem como fazer transferências para outras instituições financeiras por meio do aplicativo Caixa Tem.

Os beneficiários do Bolsa Família elegíveis para receber o auxílio receberão o crédito no mesmo calendário e na mesma forma do benefício regular. Segue o calendário dos próximos pagamentos para este público:

Terça-feira (28):

1.917.991 pessoas – NIS final 8

Quarta-feira (29):

1.920.953 pessoas – NIS final 9

Quinta-feira (30):

1.918.047 pessoas – NIS final 0
Saque em espécie

Desde ontem (27), os beneficiários que receberam o crédito do auxílio emergencial na poupança social digital já têm a possibilidade de saque do benefício em espécie. O saque pode ser realizado nos caixas eletrônicos da Caixa, nas unidades lotéricas e nos correspondentes Caixa Aqui, de forma escalonada, de acordo com o mês de nascimento.

Na data prevista, conforme o calendário abaixo, os cidadãos terão esta opção habilitada no aplicativo Caixa Tem, para geração de um código autorizador de saque.
Confira o calendário

27 de abril – nascidos em janeiro e fevereiro

28 de abril – nascidos em março e abril

29 de abril – nascidos em maio e junho

30 de abril – nascidos julho e agosto

4 de maio – nascidos em setembro e outubro

5 de maio – nascidos em novembro e dezembro

Segundo a Caixa, o calendário do saque em espécie foi instituído com o objetivo de evitar aglomerações nos pontos de atendimento, o que exporia empregados, parceiros e clientes ao risco de contágio do novo coronavírus (covid-19).

Para realizar o saque, é preciso atualizar o aplicativo Caixa Tem, fazer o login, selecionar a opção “saque sem cartão” e informar o valor a ser retirado. O aplicativo vai gerar um código autorizador para saque, com validade de duas horas, que deve ser utilizado nos caixas eletrônicos, nas unidades lotéricas ou nos correspondentes Caixa Aqui.
Nova versão do aplicativo Caixa Tem

Para acessar a funcionalidade do saque sem cartão, a Caixa liberou uma nova versão do aplicativo. A atualização já está disponível para download. Além da funcionalidade “saque sem cartão”, a nova versão do aplicativo também traz ampliação da capacidade de acessos simultâneos, disponibilizando uma previsão de atendimento aos usuários que não conseguirem acesso imediato nos horários de maior utilização.

O banco lembra que o Caixa Tem está disponível exclusivamente para clientes da poupança digital. Os beneficiários do Bolsa Família, pessoas que já têm poupança na Caixa e correntistas de outros bancos não precisam baixar o aplicativo.

Correios lançam programa de logística para comércio eletrônico




Fernando Frazão /Agencia Brasil
Os Correios criaram um programa de logística de entrega de encomendas de comércio eletrônico para micro e pequenas empresas que tenham ou queiram abrir loja virtual.

O programa Aproxime pode ser contratado pela internet sem a necessidade de deslocamento a uma agência. No cadastro, é necessário inscrever o E-CNPJ fornecido por autoridade certificadora indicada pela Receita Federal.

Não há valor mínimo para fazer o contrato, mas há descontos progressivos conforme o volume de vendas entregues. O pagamento dos serviços logísticos pode ser feito quinzenalmente ou mensalmente pela empresa contratante.

Para enviar a encomenda, as empresas podem solicitar a coleta ou levar os produtos à agência dos Correios mais próxima – mais de 7 mil em todo o país. Até dez pequenos volumes, o próprio carteiro pode recolher e levar para a agência para despacho.

Há mais de uma modalidade de envio pelos Correios, com preços diferenciados de acordo com a agilidade do serviço. No momento da compra, o consumidor deve escolher qual a modalidade que prefere. O consumidor também pode escolher retirar o produto na agência postal ou indicar o local onde a mercadoria será entregue pelo carteiro.

Segundo os Correios, a iniciativa favorece a circulação de mercadorias durante o período de distanciamento social e fechamento de comércio por causa da pandemia da covid-19. 

A apresentação do programa Aproxime está disponível no canal dos Correios no YouTube. No mesmo canal, na próxima quinta-feira (30), os Correios divulgarão vídeo sobre como abrir uma loja virtual, destinado a micro e pequenos empresários.

Caatinga: um bioma que podemos chamar de nosso





Os índios chamavam de “Mata Branca ou Floresta Branca” a área de vegetação que perde totalmente as suas folhas, na estação da seca. Época do ano em que a paisagem ganha um tom cinza - quase branco - marcada pelas árvores desfolhadas. Assim é a Caatinga. Tem aparência de morta, enquanto a chuva não cai. Reserva-se para se vestir de verde, quando a chuva alimenta a terra seca e, assim, segue o ciclo natural da vida, no clima semiárido. É o único bioma que existe apenas no território brasileiro.


Para chamar à reflexão sobre a importância do bioma, o dia 28 de abril passou a ser o Dia Nacional da Caatinga, oficializado por meio do Decreto Federal de 20 de agosto de 2003. A data marca também o nascimento do pernambucano João Vasconcelos Sobrinho (1908 -1989), um dos pioneiros estudiosos da área ambiental do país. 


À exceção do estado do Maranhão, o bioma está presente nos demais estados nordestinos. Em Pernambuco, a área de domínio do Bioma Caatinga é de 83% do território. Além do Nordeste, está presente apenas no estado de Minas Gerais. A área é rica em diversidade de espécies da fauna e da flora e muitas delas são endêmicas, ou seja, só existem no bioma. Algumas espécies estão em vias de extinção, como o tatu-bola. Embora essa riqueza, a Caatinga vive sob ameaças, principalmente devido ao alto índice de desmatamento. 


“Além das práticas ilegais cometidas na área, como o desmatamento e a caça, existem as vulnerabilidades às mudanças climáticas. O Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) e da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, vem empreendendo esforços para preservar a Caatinga, inclusive com a criação de novas Unidades de Conservação”, comentou o diretor-presidente da CPRH, Djalma Paes. No ano de 2012, o Governo do Estado criou a primeira UC do bioma: o Parque Estadual Mata da Pimenteira (PEMP), em uma área de 887,24 ha, no município de Serra Talhada. A segunda UC da Caatinga, a Serra da Canoa, tem 7.598,71 ha e fica no município de Floresta. Depois dessas, mais seis Unidades de Conservação foram criadas na Caatinga, totalizando 148.398,19 hectares de áreas protegidas.
Por Agencia Brasil

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) informou, em nota divulgada nesta terça-feira (12), que o governo federal está destinando R$ 144 milhões para assegurar a execução de serviços do Projeto de Integração do Rio São Francisco e outras obras que garantirão o abastecimento da população nos estados de Pernambuco, do Ceará, da Paraíba e de Alagoas. Com esses recursos, os investimentos em projetos para reforçar o abastecimento de água no Nordeste somam R$ 1,4 bilhão em 2019.

O montante contabiliza investimentos para operação e manutenção da transposição do Rio São Francisco nos dois eixos do projeto (Norte e Leste), a recuperação de reservatórios considerados estratégicos e outras obras para ampliar a oferta de água na região. As primeiras obras da transposição foram iniciadas em 2007 pelo Exército.

O Eixo Norte é um canal de 400 quilômetros que faz a captação de águas próximo à cidade de Cabrobó (oeste de Pernambuco) para alimentação dos rios Salgado e Jaguaribe, com a finalidade de levar água a reservatórios no Ceará, no Rio Grande do Norte e na Paraíba. No Eixo Leste, o canal, que tem mais de 200 quilômetros, leva água ao Rio Paraíba para abastecer reservatórios em Pernambuco e na Paraíba.

Além de viabilizar o fornecimento de água, a execução das obras gera emprego na região. Em Pernambuco, foram aplicados R$ 24,2 milhões no Ramal do Agreste (Eixo Leste), que emprega 2,6 mil trabalhadores. Só no estado, a obra leva águas do São Francisco “a mais 2,2 milhões de pessoas em 68 municípios”, informa o MDR.

Também este ano, os investimentos somam cerca de R$ 77 milhões no Cinturão das Águas do Ceará (CAC). “A expectativa é que, no primeiro trimestre do próximo ano, a água esteja disponível no Reservatório Jati (...) beneficiando os municípios abastecidos pelo Rio Jaguaribe e a Região Metropolitana de Fortaleza - cerca de 4,5 milhões de pessoas”, diz a pasta.

Já o Canal do Sertão Alagoano totaliza R$ 84,1 milhões de investimentos em 2019. Os recursos visam ao funcionamento de um sistema adutor (transporte da água) com captação no reservatório da Usina Hidrelétrica de Moxotó. De acordo com descrição da pasta do Desenvolvimento Regional, essa estrutura parte do município de Delmiro Gouveia e segue até a cidade de Arapiraca “e atenderá mais de 1 milhão de moradores em 42 municípios alagoanos”.

Na Paraíba, o projeto Vertente Litorânea totalizará R$ 36,3 milhões do ministério em 2019. Esse sistema adutor vai integrar bacias litorâneas com as águas do Eixo Leste do Projeto São Francisco disponibilizadas no Rio Paraíba, após abastecer o Reservatório Epitácio Pessoa, em Boqueirão, na Paraíba. “Quando concluídas, as obras irão beneficiar uma população de 630 mil habitantes, com abastecimento humano e água para irrigação e indústria”, prevê o MDR.