Foto: Reprodução/WhatsApp
Na tarde desta terça-feira (24), por volta das 13h30, o Corpo de Bombeiros foi acionado para combater incêndio num ônibus no Anel Viário, próximo ao bairro das Rendeiras em Caruaru no Agreste de pernambuco, nas proximidades de um restaurante.

Estiveram presentes no local, 02 Viaturas do Corpo de Bombeiros foram enviadas para o local  que extinguiram as chamas do ônibus que estava estacionado em frente ao Restaurante citado, Apesar do veículo ter tido perda total, não houve feridos. Somente após perícia do Instituto de Criminalística será possível determinar o que causou o incêndio.

Fonte blog do Adriano Luiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compre agora aqui com o nosso Parceiro

Três bombeiros morrem e 3 ficam feridos no combate a incêndio em boate


POR Agência Brasil

Três bombeiros morreram e três ficaram feridos durante combate a incêndio em uma boate no centro do Rio nesta sexta-feira (18). As causas do incêndio ainda estão sendo apuradas, de acordo com a assessoria da corporação. O nome dos bombeiros mortos ainda não foi divulgado nem o do soldado ferido, que foi encaminhado ao Hospital Municipal Souza Aguiar.

Segundo as primeiras informações, o fogo começou no final da manhã na boate, que fica na Rua Buenos Aires. Vários caminhões do Corpo de Bombeiros foram deslocados para o local e usaram inclusive uma escada Magirus para combater as chamas do alto.

O trânsito na via foi interditado e a rua ficará fechada até o final dos trabalhos de rescaldo.

O comandante do Corpo de Bombeiros, Roberto Robadei, informou que há ainda três bombeiros feridos. Segundo ele, os soldados usavam equipamentos modernos, incluindo cilindros de oxigênio, e as circunstâncias das mortes, causadas por inalação de fumaça, serão investigadas.

"É um momento muito triste para nós do Corpo de Bombeiros. Perdemos três companheiros e estamos com três outros militares em observação. Nós nos solidarizamos com as famílias desses guerreiros, heróis, que tinham mais de dez anos de serviço, experientes", disse Robadei.

De acordo com o militar, a primeira avaliação era que se tratava de um incêndio simples, sem nenhuma complicação. "Estava sob controle e fomos surpreendidos. Era uma casa antiga, com muitas divisórias. Eles tiveram dificuldade em sair e foram surpreendidos pela fumaça. O problema foi inalação de fumaça."

Robadei frisou que o Rio dispõe de excelentes equipamentos, em nível internacional. "Eles estavam com os melhores equipamentos e nós estamos instaurando uma sindicância para apurar o que aconteceu, para que não ser repita. Não teve desabamento nem explosão", disse o comandante.

Matéria atualizada às 18h37 para acréscimo de informações e alterada às 19h47 para correção. Três bombeiros ficaram feridos, e não um, como a matéria informava

PRF e Decar prendem motorista que transportava máquina agrícola roubada em SP





Um homem de 42 anos de idade acaba de ser preso na BR 153, km 627, município de Morrinhos, transportando uma máquina agrícola roubada no interior de São Paulo.

Segundo levantamentos preliminares, a máquina foi subtraída do canteiro de obras da Prefeitura Municipal de Tambaú/SP, na manhã desta quinta-feira(17).

Pouco tempo depois, a PRF e a Polícia Civil (DECAR) foram comunicadas sobre o desaparecimento do patrimônio municipal.

Após ação integrada entre as forcas policiais, um caminhão prancha que seguia pela BR 153 no sentido Itumbiara/Morrinhos foi abordado na manhã desta sexta-feira(18) e ao ser fiscalizado, os agentes constataram que se tratava de uma motoniveladora New Holand, pertencente à prefeitura da cidade paulista.

De acordo com informações do motorista(42) que apresentou documentação legal da máquina, avaliada em cerca de R$ 450 mil reais, ele receberia R$ 17 mil reais para transportar a carga ate Xinguara/PA.

Ocorrência encaminhada à Central de Flagrantes local em local.

UFRJ aponta que óleo pode ter saído de área a 700 km da costa


Por Agência Brasil

Um estudo realizado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) a pedido da Marinha conseguiu mapear, de forma preliminar, a provável área de onde partiu o óleo que polui praias do Nordeste desde o início de setembro. A região localizada abrange uma área que começa a uma distância de 600 a 700 quilômetros da costa brasileira, já em águas internacionais, em uma latitude próxima da divisa entre Sergipe e Alagoas.

Os cálculos foram feitos no Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia (Lamce) do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ), utilizando uma metodologia chamada de modelagem numérica. Com informações sobre a forma como o óleo chegou às praias, correntes marinhas e ventos, os pesquisadores fizeram uma previsão às avessas, reconstituindo o caminho que esse óleo precisaria ter percorrido para se dissipar da forma que vem ocorrendo.

Professor do departamento de meteorologia da UFRJ e do programa de pós-graduação de engenharia civil da Coppe/UFRJ, Luiz Assad, explica que o foco do trabalho, iniciado há duas semanas, é reduzir a extensão da área mapeada e chegar mais perto de um ponto específico de onde pode ter partido o vazamento.

"O ponto inicial seria entre 600 e 700 quilômetros, e [a área] entra um pouco mais pro Atlântico. Estamos nesse momento trabalhando para tentar diminuir essa área. Não temos um ponto de vazamento, temos uma área grande no meio do Oceano que é uma área de provável origem do óleo".

Se ainda não foi possível ter um resultado conclusivo sobre a área do vazamento, tampouco há condições de afirmar quando ele ocorreu. Segundo Assad, as informações atuais apontam para o início de agosto, um mês antes dos primeiros registros de petróleo na costa, o que se deu em 2 de setembro.

"É uma análise ainda preliminar. A gente ainda não tem como afirmar isso", pondera.

O pesquisador explica que, ao ser lançado no mar, o óleo sofre transformações em suas características físico-químicas, que fazem com que ele afunde até uma camada subsuperficial do mar. Apesar de pequena, a profundidade é suficiente para que ele passe despercebido por satélites.

Assad conta que o trabalho também inclui calcular o possível alcance que o óleo pode atingir no litoral brasileiro. O pesquisador considera difícil precisar quanto tempo o estudo ainda pode levar, mas ele acredita que serão necessários, ao menos, um mês a um mês e meio.

Enem é aceito em 42 instituições de ensino portuguesas


Por Agência Brasil

O Instituto de Estudos Superiores de Fafe (IESFafe), de Portugal, passará a usar as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) na seleção de brasileiros para os cursos de graduação. Este é, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o 42º convênio firmado com instituições portuguesas de ensino superior.

A instituição é voltada principalmente para as áreas de educação, tecnologia, gestão de empresa e turismo. Os cursos são pagos, mas é possível pleitear bolsas de estudo, de acordo com informações na página da instituição. Os participantes do Enem 2019, segundo o Inep, já poderão se beneficiar do novo acordo.

O Enem Portugal, programa de acordos entre o Inep e as instituições de educação superior portuguesas, foi criado em 2014. Mais de 1,2 mil brasileiros que ingressaram nessas instituições por meio dos convênios do Inep.
Seleção

Cada instituição define as regras e os pesos para uso das notas. As instituições de ensino superior portuguesas signatárias de convênio são responsáveis pela comunicação oficial com os candidatos admitidos em seus cursos.

De acordo com o Inep, os convênios interinstitucionais não envolvem transferência de recursos e não preveem financiamento estudantil pelo governo brasileiro. A revalidação de diplomas e o exercício profissional no Brasil dos estudantes que cursarem o ensino superior em Portugal estão sujeitos à legislação brasileira.

Em nota, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, diz que pretende estender os convênios também para a Espanha: “Iniciamos as tratativas com a Embaixada da Espanha para que as instituições de ensino superior espanholas também aceitem o Enem como prova de acesso”.

Bombeiros confirmam sétima morte em desabamento em Fortaleza


Por Agência Brasil

O Corpo de Bombeiros do Ceará confirmou hoje (18) a sétima morte da queda do prédio residencial que desabou em Fortaleza. Trata-se de Vicente de Paulo Menezes, de 86 anos. Seu corpo foi retirado nesta sexta-feira e, só após identificado, a imprensa foi informada. A confirmação foi trazida pelo comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Ceará, coronel Luís Eduardo Soares de Holanda.

O   Edificil Andrea desabou na manhã de terça-feira (15), por volta das 10h30. Localizado no cruzamento da Rua Tibúrcio Cavalcante com Rua Tomás Acioli, no Bairro Dionísio Torres, as informações são de que o imóvel vinha passando por obras. De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, duas pessoas ainda estão sendo procuradas nos escombros.

“São duas as vítimas que a gente procura. Desde o início da operação, a gente trabalha por vítimas reclamadas. Continua o mesmo poder operacional, o mesmo número de bombeiros, todos os equipamentos, todo o apoio da comunidade, do governo do estado e da prefeitura”, disse Holanda em entrevista coletiva no local do acidente.

Segundo o comandante, os cães farejadores são utilizados e percorrem o que ele chamou de “pontos quentes”, locais onde há maior probabilidade de haver vítimas. Os bombeiros trabalham com dois “pontos quentes” e esperam resgatar as vítimas restantes ainda com vida, apesar da grande quantidade de dias já passados. “O tempo não é mais favorável, quanto mais o tempo passa é óbvio que a chance de encontrar sobreviventes vai diminuindo, mas isso não tira a nossa esperança de ter sobreviventes”.

Além de Vicente de Paulo, também morreram na tragédia Rosane Marques de Menezes, de 56 anos; Frederick Santana dos Santos, de 30 anos; Izaura Marques Menezes, de 81 anos; Antônio Gildásio Holanda Silveira, de 60 anos; Nayara Pinho Silveira, 31 anos, e Maria da Penha Bezerril Cavalcante, de 81 anos.

Astronautas fazem primeira caminhada 100% feminina no espaço


POR Agência Brasil

Duas astronautas da Agência Espacial Norte-Americana fizeram história na manhã de hoje (18). Christina Koch e Jessica Meir participaram da primeira Atividade Extra-Veicular (EVA, na sigla em inglês) conduzida por um time exclusivamente feminino.


As astronautas substituíram uma unidade de controle de energia defeituosa que fica em um painel exterior da Estação Espacial Internacional (ISS). “No passado, mulheres não tinham assento permanente na mesa. É maravilhoso contribuir para o programa espacial em uma época em que todos têm um papel”, disse Koch no início da transmissão.


As astronautas estão a cerca de 420 quilômetros da superfície da Terra, e fizeram a transmissão ao vivo da missão.

O presidente norte-americano, Donald Trump, falou ao vivo com as engenheiras da missão. Trump reconheceu a importância do momento histórico e aproveitou a oportunidade para elogiar as astronautas. “O trabalho que vocês fazem é incrível. Eu tive a oportunidade de olhar seus currículos, e eles são realmente impressionantes.”

Acompanhado do vice-presidente Mike Pence e da filha Ivanka, o presidente aproveitou a oportunidade para fazer uma pergunta para a dupla. Questionadas sobre qual mensagem passariam para todas as “meninas do mundo que sonham com o espaço”, Jessica Meir respondeu: “Para nós, é apenas trabalho. Ao mesmo tempo que entendemos que é um marco histórico, existe toda uma fileira de mulheres que fazem trabalho espacial. Queremos ser uma inspiração para essas meninas ao dizer que todo o trabalho duro se pagou”, afirmou a astronauta.

Donald Trump encerrou a comunicação com as astronautas afirmando que o Estados Unidos estão prontos para a nova missão para a Lua, e que em seguida a humanidade chegará à Marte na primeira missão tripulada.
Currículos espaciais

Ambas as cientistas ingressaram na Nasa em 2013. Christina Koch, de 40 anos, nascida no estado da Carolina do Norte, sempre teve interesse em ciências e matemática. Formou-se em uma universidade pública, a North Carolina State University, em física e fez mestrado em engenharia elétrica.

Jéssica Meir, de 42 anos, teve uma trajetória fora da curva. Estudante de uma das universidades de prestígio que formam a Ivy League – um grupo das oito melhores universidades dos Estados Unidos –, ela se formou em “artes em biologia”, uma área que estuda como usar tecidos, bactérias e organismos vivos como matérias-primas em obras de artes. Seu interesse no espaço nasceu daí. Ela fez mestrado em estudos espaciais e doutorado em biologia marinha.